A mitica coleção de práticas 

Jul/10
29

Hoje em dia vivemos a tempestade das disciplinas metodológicas.  Chamo de disciplinas porque elas são baseada em conceitos morais antes de mais nada tal como uma arte marcial. Disciplina aqui significa o rigor da mente sobre a matéria, e moral , significa o controle do intelecto sobre o desejo. Não estamos falando de Bem e Mal, nem de teologia. O ponto é que se descobriu ha pouco tempo ( mais ou menos 20 anos) que os processos prescritivos e vazios de livros do tamanho da biblia ( ou maiores) não eram produtivos no mundo do software. E com produtivos quero dizer : que produziam software verdadeiro, em tempo habil, funcionando e que as pessoas realmente usam.

O fracasso dos processos stage-gate usados nas outras engenharias é hoje óbvio a qualquer um que tenha tido o mínimo de interesses para ler sobre o assunto ou a hombridade para olhar os resultados dos projetos em que participou nestas últimos décadas. O conceito de que projetos grandes e complexos de software podem ser tratados da mesma forma que projetos de engenharia civil ou aeronáutica ainda assombra muitos projetos hoje em dia, mas uma nova geração de desenvolvedores está entendendo que esse não é o caminho da força. O caminho da força é exatamente a disciplina e o rigor mental de um conjunto de pessoas trabalhando para e por um mesmo propósito. Os desenvolvedores finalmente entendem que sem conversar com o cliente nada acontece, ou pior, más coisas acontecem muito freqüentemente.  Conversar é a chave para um bom software.

Mas ainda existem alguns achando que tudo isto é magia e jogo de espelhos e fumaça… Entre estes existem os que enfim são incapazes de raciocinar fora da caixinha onde vivem, mas existem bastantes que ainda pensam assim por falta de lhes ser mostrado um melhor caminho, ou por descrédito de já terem ouvido esta historia antes ou terem experimentado e falhado. Esta atitude é a mesma da pessoa que pensa que se o homem da TV engole facas, ela também pode. E ao tentar, e se cortar toda, acha que o homem da TV é uma fraude, um engano e uma estupidez. O fato é que é a esta pessoa falta a destreza para entender que para chegar naquele nivel é preciso treino, esforço, compreensão dos perigos e sobre tudo : profissionalismo e dedicação.

Como saberão as disciplinas metodológicas com Lean, Kanban, Scrum, XP e outros da linha ágil, propõem o seguimento de um conjunto de práticas. Algumas ainda propoem conjuntos de regras, cerimónias, mecanismo de temporização e papeis que as pessoas devem desempenhar. Isto é o equivalente, nas artes marciais ao ensinamento dos golpes fisicos. Como, onde e quando colocar o braço, as pernas, a cabeça, etc…  como usar a espada, a vara, a faca, etc … Mas os golpes não são a razão da arte marcial, são apenas a parte observável. Aquilo que é a essência das artes marciais está no porquê daqueles movimentos.  Da mesma forma, a essência das disciplinas metodologias está no porquê das mecanicas, regras, papeis e cerimónias. Em ultima análise existe uma filosofia que guia o desenvolvimento e uso destas coisas observáveis.  Se você é um curioso destas coisas, provavelmente já notou que a maior parte das práticas já existia antes da era ágil. O murro também existia antes das artes marciais. Isso não as torna menores. A vantagem não está no murro, mas no como, quando, onde e por quê usá-lo. O mesmo para as práticas.

A existência de uma filosofia que premeira todas as práticas de um disciplina metodológica é a grande diferença para os processos clássicos (eu disse clássicos, não disse tradicionais) baseados no stage-gate como o Unified Process e seus derivados. Estes processos se baseiam em metáforas e analogias entre o mundo do software e outros mundos, especialmente os das engenharias civil e aeronáutica. Repare que não há uma filosofia ou disciplina inerente a estas engenharias. Basicamente existe uma matemática e uma ordem de dependência e precedência entras atividades. Nada mais. O fato de que a casa se constrói de baixo para cima,  é porque simplesmente as fundações são feitas no chão, não no ar. E todo o resto vai em cima disso. É simples. É sempre assim, e é simplesmente óbvio. Não há uma disciplina envolvida, porque simplesmente não ha escolhas a serem feitas.

As disciplinas metodológicas foram criadas a partir do conceito de que construir software  é uma atividade complexa. Mais complexa que engenharia civil e aeronautica e que por isso, é necessário que siga outro tipo de princípios e regras. Mas quais regras ? Ninguém sabe. Esta que é a mudança de paradigma que é dificil explicar e demonstrar para alguém que não entende que estamos falando de disciplinas e não de um bando de regras. Isto não é um jogo onde cada um aplica as regras que mais gosta. Tente fazer isso com uma arte marcial e sairá machucado.  Ninguém são, é louco, para fazer isso. Então, porque as pessoas insistem em pensar que podemos escolher um conjunto de mecanismos, ou regras, ou cerimônias das disciplinas ágeis e simplesmente criar nosso próprio processo.  Atente, com atenção, às palavras da ultima frase. As pessoas querem escolher regras para criar seu próprio processo. É só isso que um processo é: um conjunto de regras. E quem pensa assim ainda não entendeu que os processos não funcionam. Não no mundo da construção de software.  O Mundo está indo para as disciplinas metodologicas e deixando para trás o conceito de processo de produção, mas estas pessoas insistem em querer criar um processo usando as “melhores regras” que estas metodologias usam. É como querer criar uma arte marcial usando os melhores golpes das artes marciais. É possível ? É. Mas um conjunto de golpes é uma arte marcial ? Não. É apenas marcial, não uma arte. Falta personalidade, falta alma, moral, disciplina.  Falta o por quê, a razão. E principalmente falta o Objetivo.

Porque não podemos usar um quadro kanban junto com um daily meating e não usar Scrum  ? Porque não funciona. Não está a disciplina. O daily meating é vazio sem a responsabilidade partilhada que o Scrum procura. Não ha razão para conversar, em conjunto, sobre as atividades de todos, se não ha unidade.  Porque não podemos usar planning poker num projeto waterfall ? Porque o planning poker não é um jogo de numeros, é um processo de aprendizando, dialogo e acordo. Este processo visa criar a unidade em vez da impor. Visa procurar a visão do projeto como um todo e um acordo de como o executar. A disciplina está em chegar nessa unidade através da prática, da mesma forma que a arte marcial procura a clareza da mente através do movimento físico.  Para muitos um sprint é uma unidade de tempo. Ela é uma unidade de tempo, também, mas é principalmente uma unidade de foco. É um tempo onde o desenvolvedor pode desenvolver o que estava acordado, sem interrupções ou alterações do acordo. É um período importante para criar e fortalecer a responsabilidade do desenvolvedor e o respeito dos outros para com ele. Num processo tradicional pede-se que o desenvolvedor faça algo, mas nunca se respeita o pedido inicial ou o tempo que o desenvolvedor tem que ter de paz, para realmente desenvolver. Então do que serve ter um cronometro ? Só para apressar ? ( a tradução de sprint poderia ser “apressar até à meta”).  Não. “Estamos nos sprint” é a forma educada de dizer “Estamos trabalhando. Deixe-me em paz!” Mover papeizinhos num quadro branco não é kanban, nem scrum. É apenas um quadro branco com papeis em diferentes posições. Significam algo? Claro que sim. Significam o que você quiser. As cartas do tarot também significam algo quando estão em certas posições da mesa , mas e daí ? Isso basta ? Não.  O quadro branco com os papeis não é para dar visibilidade. É para dar visibilidade, também, mas principalmente é para encontrar problemas e com isso melhorar o processo. Ah! melhorar o processo.. então o processo não é fixo ? Não. O processo não é fixo. As práticas não são fixas, as regras não são fixas, a filosofia é que é. A disciplina, os objetivos. Não o caminho. O que as disciplinas metodológicas nos dão é uma filosofia e um conjunto de regras iniciais do processo, e um mecanismo para melhorar esse processo continuamente, dependendo dos intrevenientes! É um processo adaptativo por natureza.  As regras inicias são iguais para todos, mas onde cada um vai chegar é totalmente obra de melhoria continua. Exatamente como um praticante de uma arte marcial.

Então por quê não podemos simplesmente pegar uma coleção de práticas, colocá-las no mesmo saco, baralhar, e cria nosso próprio processo ? Porque estaremos apenas criando um processo, não uma filosofia. Não uma disciplina.  Uma disciplina implica que haja coerência entre as práticas, que elas se complementem e fortaleçam umas às outras e para isso é preciso um conjunto de principio maiores que as práticas em si mesmas, e isso só podemos alcançar através de uma disciplina completa.

Finalmente, queria deixar uma palavra para quem acha que pode começar a usar uma disciplina metodologia, como Scrum, ou XP, por exemplo, sem se comprometer com ela. Sem se empenhar, e sem a seguir completamente. Se você é um dos que pensa que pode começar a usar estas disciplinas “por partes”, pense no desastre que seria tentar partir um bloco de cimento com os dedos sem o devido preparo físico e mental da disciplina marcial completa. Muitos podem emitar os movimentos que veêm um mestre de artes marciais executar, mas imitar os movimentos não é praticar a arte. A arte está em entender os movimentos. Da mesma forma, a boa forma de base software está em entender os principios por detrás das disciplinas metodologia e não em imitar os movimentos das suas práticas. Ninguém aprende a partir uma pedra com as mãos por tentativa e erro. É feito com treino. E treino é algo diferente de tentativa e erro.

Para entender as disciplinas é requerido estudo. E sem estudo, tentar praticar é um insulto. É como um cara que aprendeu a imitar meia-dúzia de golpes dos filmes querer se denominar mestre de artes marciais. Não é apenas um insulto aos verdadeiros praticantes da arte, mas ao Mundo, por querer que acreditemos nesse embuste.

Se você gosta das disciplinas metodológias modernas, se realmente vê vantagens nelas, e sente que ha algum mérito nelas, antes de mais as estude. Tente entender a filosofia primeiro, para depois começar a exercitar as práticas.

4 comentários para “A mitica coleção de práticas”

  1. Sergio,

    Parabens! Esse tipo de assunto é bem polêmico. Mas creio que você tocou em alguns pontos, que alguns estão realmente pecando, quando tentam colocar em prática essas metodologias. Acredito que já vai servir como alerta.

  2. “Mas quais regras ? Ninguém sabe”…

    Perfeito!! Tentava entender onde era a falha, já que seguimos regras, procedimentos, processos, melhores práticas, etc. Bom saber que o problema é conhecer a coisa de forma mais ampla.
    Obrigado por realizar esta análise e compartilhar conosco!

  3. De nada, Luciano. Como digo no texto: “Esta que é a mudança de paradigma que é dificil explicar e demonstrar para alguém que não entende que estamos falando de disciplinas e não de um bando de regras”

  4. Concordo com você Sérgio, a disciplina é fundamental para aplicação dessas práticas, eu cheguei a postar a respeito esse assunto a um tempo atrás no meu blog, mas seu post é excelente, parabéns.

Comente

Enquete

Sobre quais assuntos gosta de ler neste blog ?

View Results

Loading ... Loading ...

Artigos