Scrummas 

Apr/10
28

Um dos piores inimigos do Scrum é a sua simplicidade. Ele é tão simples que as pessoas olham preplexas e dizem “ah! é só isso ?!” Sim é só isso. 5 valores, uma mão cheia de backlogs e ciclos . Porque querem complicar o que é simples?

Mas o problema vem na prática.  Na prática não é nada simples ser fiel aos 5 valores ( Compromisso, Abertura, Respeito, Foco e Coragem),  afinal, estes valores parecem escassear nos dias de hoje. Afinal não é tão simples manter backlogs. Priorizar, comparar valor, estimar tamanho… não é tão simples na prática. Afinal não é tão simples, e  o fardo começa a ficar claro quanto mais a pessoa entende scrum. Não é por acaso que “Coragem” é necessária. Sem ela a pessoa desiste antes de ver os louros.

Todos aqueles que começam a usar scrum pela primeira vez passam por este processo de ir da glória da ignorância – achando que é simples de mais- ao inferno do pesado fardo da responsabilida e do compromisso – de volta à glória da sapiencia após entender que realmente funciona.Mas é trivialmente fácil a pessoa se enganar. É muito simples a pessoa faltar ao compromisso, à responsabilidade, perder o foco, perder coragem. Afinal , qual é o castigo ? Porque perder tempo com backlogs ? porque não simplesmente mandar os rapazes fazer o que queremos ? afinal quem vai nos exigir explicações ? ora…  Porque fazer reuniões todos os dias ? afinal as pessoas têm boca é para falar, porque precisamos de uma cerimónia, porque raios as pessoas não conversam quando elas querem ?

Perguntas imbecis como estas – embecis porque existem imensos estudos e autores explicando porque essas coisas são ruins – permeiam a cabeça de todos aqueles que foram educados e tem vivencia na forma tradicional de fazer software. Daqui nasce o Scrummas. É comum , hoje em dia, ouvir respostas como “Nós usamos scrum, mas…. ” seguido de alguma desculpa esfarrapada de porque foi boa ideia eliminar algum dos principios , valorer , práticas ou cerimónias do scrum. O Scrummas  (em inglês scrum-but, que é um trocadilho com butt que significa bunda) , advém da explicita violação do primeiro valor :compromisso. Ou bem que vc se compromete a seguir o scrum, ou bem que não. E na hora que vc começa a driblar e a arrajar desculpas é uma falha no compromisso. É uma desonestidade para consigo mesmo. Se não implementamos scrum totalmente como esperamos que funcione ? Quando vc muda o pneu do seu carro vc não aperta os parafuros porque “está com pressa e tem um horário a cumprir’ ? quando vc come, vc come com os dedos porque “afinal, acabou de lavar as mãos” ?  O que é você ? Uma criança com um monte de desculpas ? E para quem são essas desculpas ? o seu pai ? … não… são para si mesmo. Para esconder a sua falta de fidelidade com os valores.

Scrummas é um cancer moral que nasce na própria mente humana. É inerente ao ser humano encontrar dualidade. Quando no caos ele procura a ordem, quando na ordem procura a revolução.  É dificil sem dúvida seguir os valores. Afinal seguir quaiquer valores é complicado. Sempre dá vontade de desistir uma hora ou outra.

A extrema simplicidade das práticas do scrum, e do agil em geral,  leva a um excesso de confiança, a uma atitude de “eu posso fazer isto, é canja”. Mas a realidade é dura, e essas mesmas práticas lhe mostrarm tudo o que ha de errado em si e nos outros , no projeto, no cliente, na sua cidade e até na sua familia. Isso é demasiado peso para uma pessoa só e quando mais ela enxerga que esse é destino final, mais ela quer desistir. Ela quer minar o sucesso do scrum porque inconscientemente ela sabe que esse sucesso será o seu fim. Ela apenas esquece que, sentir isso, é a prova que entendeu o scrum, mais: é a prova que se comprometeu com o scrum. E só então , com esse conhecimento, o mundo parecerá melhor.

Talvez a extrema simplicidade leve as pessoas a complicar a coisa um pouco “só p’ra ter graça”, ou para poder encontrar defeitos, ou auto-minar o seu sucesso. A velha conversa de “Scrum não é bala de prata” … ora, realmente scrum não é uma arma contra coisas sobrenaturais , mas sim é a forma correta de trabalhar no desenvolvimento de software. Pelo menos até que alguem imagine uma melhor. Porque este desdem, essa “falsa modéstia” ? Se temos monstros que comem o nosso lucro, a nossa paciencia, e nosso tempo, não é de uma bala de prata que precisamos ? Bom… visto assim, realmente o scrum não é uma bala, ele não mata os monstros. Ele está mais para lente de aumento ou espelho, que mostrar onde e quais são os monstros.  Tanta metáfora … Falta de abertura. Falta de dizer a verdade pura e simples : Scrum dói. Scrum é dificil. Scrum vai mudar a sua vida. Scrum precisa que você tenha coragem, que os tenha no lugar, a todo o momento. Vc vai sofrer, mas depois vai ser recompensado… e não ha garantia que esse depois chegue, então vá se preparando para o pior. E o pior é : você voltar a fazer software como fazia antes do scrum!

Os valores do scrum, não são apenas palavras, são coisas que cada desenvolvedor deve sentir e seguir. Como profissional e como pessoa. Só assim poderemos acabar com o  Scrummas e a forma imbecil de fazer software que a esmagadora maioria das empreas utiliza.

Sempre que ouvir “Fazemos scrum , mas…” e tiver um arrepiu, isso é o sinal de que você é um desenvolvedor de software moderno. Não desista agora. Porque agora  vai  ficar ainda mais dificil mas também muito mais interessante ….

6 comentários para “Scrummas”

  1. que papagaiada do schwabber! Mais um que leu o livro, fez o csm e agora adora o jargao.

    Leia um pouco de lean e ai voce mesmo vai entender o porque de nao precisar de um sprint formatado a la scrum.

  2. Não sei onde vc conclui que o texto tem alguma coisa que ver com o schwabber… a menos que vc seja um daqueles que acha que esse cara é o único que sabe alguma coisa de scrum. Eu acho exactamente o contrário, esse é um dos caras que não entendeu direito até hoje, mesmo sendo um dos inventores. Para começar, para ele não existe uma forma standard de scrum, o que implicar que para ele não existe “scrum, mas” , do que eu discordo veemente. E já agora também não sou CSM, mas obrigado por achar que sim. Isso significa que você considera correto o que eu disse.

    Quando vc diz “lean” deve deve querer dizer kanban … Eu sei que não preciso de um sprint formatado à lá scrum, mas este formato é o único que exige garantias. Sem elas não ha nenhuma diferença entre fazer sprints e fazer o modelo tradicional. A caracteristica de exigir uma demonstração e ter uma condição de pronto é, quanto a mim, fundamental. Isso não é requisito sin qua non no kanban, nem no agil em geral, o que quanto a mim é uma falha. Lembrando que kanban é uma “metodologia” de produção e não de gerencia e agil em geral não é nenhum dos dois.

    As minhas conclusões, são, como sempre, retiradas da minha experiência. Não carece que você concorde. Mas quando fizer uma acusação, tenha pelo menos a sensatez de apresentar algum tipo de fato … ou pelo menos comentar alguma coisa que tenha uma minima relação com a realidade.

  3. Seria fantástico poder usar o Scrum “original” como padrão para todas as ocasiões, porém, infelizmente, algumas realidades corporativas são restritivas. Nestes cenários, é possível flexibilizar para alcançar os valores que realmente importam, mesmo que, em decorrência, haja uma desvio do formato prescrito. O que importa, no final, é agrager mais valor.

  4. Qual o problema em se utilizar os ScrumMas? Em determinadas situações(clientes) vc não consegue fazer Scrum devido a Cultura das maiorias das empresas brasileiras. O que vc deve levar em consideração é o que vc consegue tirar de melhor de cada metodologia e atingir os seus objetivos. Não vou discordar de vc que scrum não é fácil de implementar pois tem que ter muita disciplina mas vc tem que usar o ScrumMas mas ter a conciência disso e aos poucos tentar usa-lo mas se não conseguir mesmo assim, pegue o que a de melhor nele e junta com outras metodologias e seja feliz e pare de lamentar o uso do SCRUM. Desse jeito vc assusta as crianças rsrs…..

  5. O problema de usar scrummas é que “scrummas não é o mesmo que flexibilizar”. Quando vc flexibiliza as práticas porque a empresa é assim ou assado , mas vc mantém os valores, não ha nada de errado nisso. É a arte do possivel. Mas quando vc esquece os valores, isso sim é perigoso. Por exemplo, vc chega numa empresa que usa algum tipo de software de task tracking como o jira, por exemplo. O jira tem uma funcionalidade de log de horas por issue. Vc pode usr o jira para colocar seu backlog e até as tarefas de cada historia. Existem até plugins que deixam tudo bonitinho e até geram quadros kanban. Isto é flexibilizar. Não quer usar o quadro branco e post-its?, não tem espaço? , a equipa está fisicamente separada ? ok, a gente dá um jeito = flexibiliza. Mas agora vem alguem e fala que temos que lançar os logs de horas todos os dias antes de sair, e temos que só contar o trabalho realmente feito porque isso é o que será usado para cobrar o cliente. Isto é scrummas. Está usando scrum, mas no fundo ainda pensa em “horas-homem”. O log de horas em tarefas – no scrum – serve apenas para gerenciar melhor o sprint e ajudar as pessoas a terem uma maior noção do tempo que usam para as coisas, mesmo com interrupções, porque elas sempre acontecem. Com este conhecimento faram melhores estimativas de SP para as estorias futuras. Mas logar horas para cobrança isso não é scrum.
    Outro exemplo, o cara afirma que “porque a equipa é pequena , eu vou ser o Scrum Master e o PO” … ora isto é uma violação direta dos valores scrum : foco, e respeito. Uma pessoa sózinha são pode ter dois poderes como esses. É julgar em causa própria. O mesmo se o cara disser que não vai haver SM ou PO. Ou que a equipa não é multidisciplinar ou ela tem que obdecer uma hirarquia ou não pode usar um sistema pull de tarefas…. Existem modificações que se fazem para ajustar as práticas, mas qualquer uma que tente ajustar, remover, ou impedir o cumprimento dos valores é que caracteriza scrummas.

    O meu objetivo sim é assustas as crianças >:> Infelizmente tem muita criança por ai dizendo que faz scrum, mas não tem noção do significado de compromisso, respeito, ou coragem.

    As práticas são importantes, mas são apenas ferramentas. Usamos a que melhor se adquar. Mas valores não são negociáveis.
    Eu não lamento o uso do scrum, eu lamento que as pessoas não tenham valores e/ou não saibam se ater a eles.

  6. Se scrum é um conceito de moralidade sobre questões ao compromisso, respeito e coragem então como identificar o carater de um profissional que não quer ser adequar ao meio produtivo, isso também não vem da corporação que faz por menos também quebrando regras morais sobre formas e contratações e especialização de contratos absurdos sobre planos de projetos.

Comente

Artigos